segunda-feira, 23 de agosto de 2021

Atividade 3

Sabe-se que boas práticas, que trazem resultados efetivos e sustentáveis, devem ser estimuladas e inseridas em um programa de compliance. Baseado nisto, informe três boas práticas de integridade nas relações de trabalho, colocadas em prática por você quanto aos seus clientes, empregados ou empregadores, seja no momento atual, passado ou, ainda, que você reputa que podem fazer diferença na sua atual realidade.

Atividade 2

Um empregado passou anos trabalhando no mesmo local, e era por todos conhecido como "Burro Velho". É verdade que ele era um profissional de idade mais avançada do que a grande maioria dos seus colegas, na faixa dos 20 ou 30 anos, e ele tinha mais de 40 anos, mas isso não justificava o apelido.

Os e-mails que eram dirigidos a ele ou ao time sempre faziam referência ao Burro Velho, que estava encarregado disso ou daquilo, e todos sabiam muito bem a quem eles se referiam.

Aparentemente, o profissional que recebeu tal apelido aceitava a "brincadeira", porque nunca reclamou a quem quer que fosse. Sabe-se que até o momento o empregado não se opões à brincadeira e, além dele, outros são alvo de chacota. Seus colegas de trabalho também não tem problemas de relacionamento com o alvo do apelido.

Um colega de trabalho, novo no setor, incomodado com a brincadeira, e após quinze colegas publicarem stories no instagram durante o almoço, no refeitório da empresa, fazendo alusão ao apelido já mencionado, decidiu acionar o canal de denúncias da empresa, informando ao setor de compliance o ocorrido.

Considerando os estudos sobre canal de denúncia, investigações, retaliações e treinamentos dentro de um Programa de Compliance, como você conduziria a denúncia?

FONTE: SERPA, Alexandre; HENCSEY, Antonio Carlos, GIEREMEK, Rogeria. Assédio moral e sexual: tratamento de denúncias. FRANCO, Isabel (Org.). Guia Prático de Compliance. Rio de Janeiro: Forense, 2020, p. 227-243.

Atividade 1

Em um encontro anual da equipe comercial de uma empresa que atua no ramo farmacêutico, vendendo remédios para órgãos públicos, durante o período da manhã o compliance officer faz um longo e empolgante treinamento sobre o código de ética e manual de representação comercial da empresa, para que todo o time tenha conhecimento e intimidade com as políticas e valores da empresa.

No período da tarde, quase no encerramento, o presidente divulga a meta da equipe para o próximo trimestre, com uma projeção de crescimento em vendas astronômico. No final da reunião, já no jantar de confraternização, em que o presidente também se encontrava, o diretor comercial fala "a boca pequena", com cada um dos participantes, que não se importa o que façam, eles precisam conseguir a meta para que todos tenham bônus no final do trimestre. E, ainda, ameaça de demissão aquele "que não vender a mãe" para o atingimento.

1. Considerando a meta astronômica, o recado do diretor e a promessa financeira, qual a mensagem/sensação que se criou com a mensagem do diretor?

2. Mencione todas as posturas que o presidente da empresa deve tomar em relação ao diretor e aos empregados, a título de Ética e Compliance, diante do comportamento do diretor?

FONTE: PESCARMONA, Ana F. Iapichini; CRESPO, Liana Irani Affonso Cunha; ALCÂNTARA, Eunice; PEREIRA, Clara Carneiro. A importância do tone at the top e os seus desafios na prática. FRANCO, Isabel (Org.). Guia Prático de Compliance. Rio de Janeiro: Forense, 2020, p. 33-50, p.39-40.

domingo, 30 de maio de 2021

Você tem o direito de assumir que não sabe

Em 2015, estive num evento sobre Análise Econômica do Direito. No meu Grupo de Trabalho éramos eu, um professor francês, dois estudantes peruanos e um outro aluno da graduação, também brasileiro.

Todos expuseram suas pesquisas e chegou a vez do bravo colega tupiniquim: ele aplicou brilhantemente uma teoria sociológica estruturante a um fenômeno econômico de ordem concorrencial. Após trinta minutos de perfeita apresentação ele resumiu: confesso que neste ponto não sei que solução oferecer ao problema central. 

Notei um ar de julgamento misturado com um leve riso de vaidade dos demais integrantes, mas naquele seminário aquela foi a exposição mais honesta que ouvi.

Ninguém é obrigado a fornecer soluções o tempo todo para uma realidade tão complexa. Em muitas vezes você vai apenas precisar agir sem o tempo hábil para pensar.

Mas, em muitas outras vezes é necessário parar e pôr freios nessa exigência maluca de ser bom sempre.

Assumir que não sabe, que apenas chegou na problemática é um ato nobre nesse mundo que (quase) todos têm opiniões sobre (quase) tudo.

Talvez, em certas áreas da vida da gente, nós não precisemos de respostas, mas sim de criar questionamentos. Quem assim faz é porque consegue olhar para si mais do que para os outros . Isto evidencia bom senso e nunca vi gente sensata sendo responsabilizado por atos absurdos.

Você tem o direito de assumir que não sabe, mas não tem o direito de querer respostas prontas. Afinal, como diz a música “sonho de uma flauta” de @oteatromagico: “Descobrir o verdadeiro sentido das coisas é querer saber demais!”.

Humberto Lucena

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019