sábado, 16 de março de 2013

Tanto assim

O maremoto parece não cessar

As lágrimas insistem em salgar suas feridas

Até entendo o motivo de tanta água com sentimento e mágoa

Mas a vida vai remando e seguindo


A sequidão da dor

A rejeição do amor

A problematização do rancor

Que as marés do serenidade nos guiem


Livres para navegar, em busca do que não se conhece

Melhor lembrar do que foi bom e entrar no barco da novidade

Afinal, eis a nossa vida, cheia de talvez e com pouca certeza

Viva bem e não esqueça de mim

O rapaz que sempre lembrou de você tanto assim: [                                                                       ]

4 comentários:

Ilma Cândido disse...

Difícil é só lembrar do que foi bom e entrar no barco da novidade...

Angelo Augusto Paula disse...

Meu caro amigo, vc se superou na escrita e na trilha sonora. Sem falar na materialização do "tanto da falta", que superou o poder sinestésico das palavras. Esse foi um post de sensações completas. Talvez o seu mais bonito. Parabéns!

Angelo Augusto Paula disse...

Sentimento semelhante já descrevi em meu blog também uma vez.

http://angeloapnascimento.blogspot.com.br/2009/05/angustia.html

Abração

Anônimo disse...

Já que você gosta tanto de lembrar do que foi bom, que tal escrever algo sobre "HONRA", menino Lucena?