sexta-feira, 9 de novembro de 2012

A prudência, o povo e a colheita

Prudência. sf (lat prudentia) 1 Virtude que nos faz prever e evitar as faltas e os perigos e que nos leva a conhecer e praticar o que nos convém. 2 Cautela, precaução. 3. Circunspeção, sisudez, seriedade, tino. 4 Moderação. 5 Cordura. No grego a locução é conhecida como o σωφροσύνη, que, transliterada, materializa-se em sóphrosúné ou sophrosyne: estado de espírito são; bom senso.

Victor Hugo, em célebre pensamento, já alertava que a prudência é filha mais velha da sabedoria. Não sem razão, dada a projeção onto e deontológica da expressão, que se irradia desde os setores mais simples da vida até as mais complexas relações humanas, qualificadas por uma Ciência Social Aplicada, o Direito e a (Juris)prudência. André Comte-Sponville (aquele filósofo materialista francês que escreveu o Petit Traité des Grandes Vertus) leciona que, ao lado da temperança, coragem e justiça, a prudência compõe os pontos de orientação valorativos da Antiguidade e Idade Média. No livro X da obra Ética a Nicômaco, Aristóteles defende que a Sophia (sabedoria) e a Phronésis (prudência) integram a inteligência, sendo a primeira referente à ética e a segunda à ciência.

A questão que se apresenta é: por que não somos prudentes como as serpentes e simples como as pombas, sobretudo em razão de vivermos entre lobos, tal qual a exortação de Mateus 10:16? Qual motivo específico nos torna perplexos, sob o efeito de verdadeiras magias retóricas e envolvidos sob o manto da propaganda enganadora? Ignorância, [des]esperança, vontade demasiada de ver mudanças instantâneas, o charme e a elegância das palavras bem colocadas? Se há um lugar onde estas dúvidas estão alojadas com bases bem estabelecidas é na mente do povo da cidade de Natal-RN.

Não sou potiguar, muito menos natalense. Saí de Campina Grande-PB, há quase doze anos, e devo ao Rio Grande do Norte minha formação de ensino superior, especialização, Mestrado, bem como alguns empregos que tive e tenho aqui. Enfim, fui adotado por essa terra de gente boa, acolhedora, como todo bom nordestino, de sorriso fácil e belezas naturais invejáveis. Gosto daqui, voto na capital do Estado, sou responsável, destinatário e vítima das escolhas e políticas públicas existentes nessa cidade.

As notícias recentes acerca da Chefe do Poder Executivo Municipal e de sua trágica administração assombram qualquer pessoa dotada com o mínimo de senso de indignação. As conversas que tenho tido e presenciado pelos quatro cantos da cidade são uníssonas: o sentimento é de tristeza, raiva,  mágoa, engano, abandono e desrespeito com os munícipes. Como não sabemos exatamente qual atitude tomar, ficamos um tanto desorientados, a ponto de a única reação ser esbravejar, xingar e detratar o nosso alvo mais próximo.

Desvios de recursos públicos, talvez sob o pensamento “o que é de todos não é de ninguém”, oriundos da saúde, educação e até do alimento daqueles que, indefesamente, foram privados de uma refeição mínima durante o período escolar, as crianças. Saúde de um povo doente, de corpo, alma e coração; educação de gente néscia, ignorante, mas, em sua maioria, bem intencionada; merenda de infantes já sem muita perspectiva com o futuro depositado nos braços de um Estado divorciado das boas práticas. Isso sem falar nas ruas, saneamento básico, coleta de lixo – abandonada, frise-se - e nos proventos não repassados aos serventurários públicos municipais.

Como pudemos permitir tamanho golpe bem diante dos nossos olhos? Faltou e falta-nos prudência. O bom senso e a cautela festejados pelos gregos são necessários e devidos para além dos nossos teoremas filosóficos, necessitam ir além de um cuidado antes de assinar um contrato ou fechar um negócio, escolher uma casa, realizar uma ultrapassagem, adquirir um carro ou decidir qual a escola de idiomas de um filho. A moderação prudencial é essencial sempre que queiramos evitar hecatombes ou acontecimentos semi-apocalípticos como o ora executado concernente à moralidade.

A inconsequência por nós autorizada foi legitimada pelo sufrágio constitucional. Colhemos as sementes que plantamos e nessa agricultura republicana fomos ceifados em doses nada artesanais. Por onde andou a nossa prudência nos quatro últimos anos? Com férias agendadas e passagem somente de ida? Certamente não se quedou próxima dos líderes evangélicos desta cidade e até de outros Estados que, em ululante comemoração, festejavam uma suposta conversão da gestora ao protestantismo e a permitiam subir em púlpitos, consagrados à fé cristã, para abocanhar a boa-fé daqueles que a ouviam. De igual forma, não estava com a maioria dos eleitores em outubro de 2008, quando deixaram adormecer o senso crítico por um jingle animalesco da ordem das Lepidoptera e, tampouco, no quadriênio subsequente em caracterizado por atos constantes de omissão popular, a começar por este que vos escreve, tangentes aos escalabros presenciados a olhos nus. Afinal, a responsabilidade nesse caso é solidária e o dever de combate é de todos, seja através dos órgãos oficiais ou dos instrumentos constitucionais disponíveis, tal qual a ação popular, ad exemplum.

Que possamos aprender e atrair mais prudência para nossas escolhas e se, conforme Victor Hugo já anunciava, ela é a primogênita e a sabedoria a caçula, se esta essa nos faltar que sigamos o conselho de Tiago 1:5: “E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada.”

Humberto Lucena

Um comentário:

LUCELIA BEZERRA disse...

Passei para aprender, admirar mais um pouco e ver mais de perto.

Lucélia