segunda-feira, 14 de novembro de 2011

(Des)abafos

A distância que você faz questão de manter

O olhar indiferente, disfarçando seu coração carente

A estrada da inteligência decorada com pontes de intransigência

Quanto tempo mais para te ver?


Das dores sem sentido

Entregues ao coração iludido

Só resta o sangue que representa

O mais nobre sentimento, cuja paciente sugestão é: “Vai, tenta!”


Não te escondas por tanto tempo

Viver privado da tua presença

Só me empurra ao relento

E nesse lugar sombrio recordo daquele dia quando te vi assim: Intensa


A saudade do não vivido

A presença do intruso

Somas de amores divididos

No curso de uma vida que, sem você, é um abuso


Lucena Filho

4 comentários:

Anônimo disse...

pudera fosse tudo isso para mim...
será? FALA! APARECE!

Analine Ramos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Identificação. I liked.

AM disse...

Linda , intensa. ����